O início da obra inacabada

O início da obra inacabada

Ao iniciar um novo texto depois de tanto tempo, noto uma pergunta a circular meus dedos, indagando sobre como deveria escrever. E então começo a compreender o motivo pelo qual eu venho tendo estas dificuldades, estes bloqueios que me impedem de criar, de postar desabafos e sonhos.

O começo de cada criação é algo que irá definir o tom de todo o restante de seu trabalho. Ele pode despertar interesse nos leitores, desencoraja-los ou, até mesmo, cria tédio mortal para sua obra. É um contraste delicado, sublime, perigoso, mas também fascinante. Ele segue, surpreende, contrasta e mata.

E então como eu deveria começar a escrever hoje?
Uma idéia seria me colocar no lugar do leitor, mas mantendo minha linha de desfecho inicial, aquela primeira que criei antes de todo este devaneio? Sinceramente eu não sei o que fazer, nem o que escrever. Ou talvez… Eu saiba?

 

Apenas uma carcaça vazia movida a engrenagens desconexas, que busca alívio nas palavras vãs de um desabafo doloroso.